Buscar
  • Lilian Sguillar

O ozônio no combate à herpes

Ela pode começar com uma coceirinha chata, um formigamento na pele e, quando a gente

menos espera, eclodem feridas incômodas que podem causar ardência. A Herpes é uma uma inflamação dos nervos e seus gânglios e, quando falamos em processos inflamatórios, a ozonioterapia pode agir positivamente.



Sabe-se de muitas pesquisas que o ozônio tem um alto efeito antibacteriano e antiviral e por

isso pode ser utilizado no tratamento de muitas doenças virais, como neste caso. Isso porque o tratamento usa um oxigênio “super-potente” para acelerar o sistema imunológico e combater o vírus. Pode ser usado diretamente sobre lesões durante um surto ativo para diminuir o tempo de cicatrização, ou pode ser administrado sistemicamente (normalmente por insuflação retal ou insuflação nasal) para evitar futuros surtos.


Já o Herpes simples labial é uma doença recorrente, sua etiologia mais prevalente é pelo herpes vírus humano Tipo 1, representando a doença viral mais comum no homem moderno, afetando 40% da população mundial. Nesse caso, uma forma de tratamento é através do óleo ozonizado.


Mas vale lembrar: para melhorar sua imunidade, também é preciso ter uma alimentação

saudável, praticar atividades físicas frequentemente, fugir do estresse e descansar!


Sobre a Herpes


É uma doença causada por dois tipos de vírus: o Vírus Varicela-Zóster, que causa catapora

(varicela) e também o popularmente conhecido cobreiro (herpes zóster) e os herpesvírus tipo 1 e tipo 2, que causam o chamado herpes simplex, uma infecção viral comum, para a qual 99% da população adulta já adquiriu imunidade na infância e na adolescência, tendo infecção assintomática ou um único episódio, obtendo resistência ao vírus para toda a vida.

A doença é caracterizada por uma inflamação e por uma dolorosa erupção de pele ao longo da distribuição do nervo envolvido.


0 visualização